Cadastre-se para receber atualizações do plástico bolha via e-mail:

 

 

 



Urbanas I

Jonas

Quando ele acordou, já era tarde: estava em uma calçada da Lapa abraçado com um cachorro. Não, aquele não era o seu cachorro. Era um cachorro qualquer, um vira-lata fedorento que ele nunca havia visto antes. Soltou-o aos poucos para não acordá-lo. Foi aí que ele percebeu que em suas mãos, cheias de purpurina, havia um revólver. Assustado, tentou se levantar. Mas sua cabeça pesava toneladas. Cambaleou, pisounuma poça, quase caiu, andou três passos e só aí notou que estava de salto alto. Foi subindo os olhos pelas próprias pernas e logo identificou o seu traje como um vestido de lantejoulas, sem nada por baixo. Perplexo, levou as mãos ao rosto e ao encostá-las na própria face percebeu que sangrava nas bochechas e no nariz. Subindo um poucomais a mão para os cabelos, apalpou-os e logo se deu conta de que era uma peruca que ele estava usando, da pior qualidade. Começou então a vasculhar sua memória na esperança de encontrar algo que justificasse seu estado. Mas não se lembrava de nada. Quer dizer, de uma coisa ele se lembrou: Jonas. Esse era o nome do cachorro. Voltou a sentar no chão e disse para ele:

 

- Jonas, você agora é meu único amigo, tá?

 

Ao que Jonas consentiu. E os dois, resignados, se dirigiram ao boteco mais próximo para tomar uma cachaça que curasse aquela ressaca.


Esse texto foi publicado no plástico bolha nº13: download PDF

 

 






 

 


 

Copyright - Jornal Plástico Bolha - 2008 - E-mail: redacao@jornalplasticobolha.com.br