Cadastre-se para receber atualizações do plástico bolha via e-mail:

 

 


Entre o ator e o escritor


 

José Wilker é ator, escritor, diretor. Tem mais de quarenta anos de carreira, já atuou em mais de quarenta e cinco filmes, trinta e cinco novelas, e um sem número de peças de teatro. Escreveu crônicas durante cinco anos para o Jornal do Brasil, que resultaram na publicação do livro Como deixar um relógio emocionado, em 1996. Também escreveu sobre cinema para a revista Contigo por um ano.

 

Você tem o hábito de escrever desde criança ou começou mais tarde?


Minha memória mais antiga está numa foto na qual estou escrevendo. Ela está perdida, tenho apenas a memória dela. Estou sentado diante de uma mesa, num lugar que suponho seja o quintal das minhas tias. Escrevendo. Então, devo dizer que o ato de escrever exerce desde sempre um fascínio todo especial para mim. Eu já escrevia mesmo antes de saber escrever. Copiava letras. Juntava várias delas em grupos, apenas porque as formas delas me encantavam. Depois, lia em voz alta lhes atribuindo significados, algo como a reprodução das histórias que andavam pela minha cabeça.

 

Tem o hábito de escrever regularmente?


Escrevo sempre, todos os dias. Às vezes por obrigação profissional, outras por simples prazer ou para não esquecer.

 

O que o faz ter vontade de escrever?


Não tenho exatamente “vontade” de escrever. É como respirar, a gente nem percebe. De repente, está escrevendo.

 

Como funciona a escolha dos seus temas? Quando trabalhou no JB, por exemplo, e precisava escrever uma crônica por semana, como fazia?


Escolho ao acaso. Escolho quando algo me chama a atenção. Quando percebo algum humor num acontecimento. Para o JB – e nessa época eu escrevia para mais dois outros meios – por conta da exigência de um texto novo a cada semana, eu usava um método um tanto quanto maluco. Escrevia uma frase qualquer e esperava que ela me conduzisse daí para frente. Ficava olhando a frase na tela do computador até que ela me ensinasse como continuar.

 

O que mais gosta de escrever, crônica, teatro, cinema, poesia, contos....?


Gosto de crônica e de teatro. Já escrevi poesia e morro de vergonha dela. Minha poesia é medíocre. Contento-me com as letras de música que escrevo para as minhas peças. Letra de música é mais fácil, basta colar algumas imagens desencontradas, um verso quase brilhante e a música se encarrega de dar sentido àquilo.

 

Quando está trabalhando com prazo, consegue fazer as coisas com antecedência ou espera o último minuto possível para começar a escrever? A urgência ajuda ou atrapalha?


Escrevo sempre no último minuto. A urgência é uma conselheira razoável. Mas, se não publico de imediato, faço centenas de revisões. No caso do teatro, por exemplo, das peças ainda não encenadas ou publicadas, faço revisões intermináveis. Minha peça O sim pelo não vem sofrendo revisões freqüentes nos últimos dez anos.

 

Acredita que o trabalho de ator — e também de diretor — faz de você um crítico mais cuidadoso?


Sem dúvida, saber do calvário do ator e do diretor me faz um crítico mais cuidadoso. Mas, também e paradoxalmente, mais rigoroso. Como ator e diretor, não me sinto confortável com a superficialidade. O mesmo vale para a crítica.

 

O que é mais libertador? Expressar-se através do corpo (atuando) ou das palavras(escrevendo)? O que cerceia mais ou menos - a linguagem ou o corpo físico?


As palavras são mais libertadoras. Posso continuar a fazer malabarismos com as palavras em qualquer tempo. O corpo, coitado, depois de um certo tempo, de uma certa idade, já não responde com a devida presteza e eficiência aos nossos apelos. As palavras, porém, vão se enriquecendo, ganhando novos significados com o passar do tempo.

 

Você trabalha mais com a crônica e com a crítica. Isso aconteceu naturalmente ou foi uma escolha?


Aconteceu naturalmente. Não foi uma escolha. De repente, lá estava eu fazendo aquilo. Mas, devo dizer que não me considero, não quero ser tomado como um crítico. Na verdade, escrevo sobre as minhas paixões e divido as minhas paixões com os amigos que tenho, ou quero ter, e que eventualmente me lêem ou me escutam.

 

Ser um leitor voraz fez você ter vontade de escrever? A leitura está sempre ligada com a escrita?


Para escrever é fundamental ler. Não duvido do fato de a leitura ser ótima fonte de inspiração e de orientação.

 

Algumas palavras para nós, leitores, jovens escritores e interessados em geral?


Está em Drummond: “Penetra surdamente no reino das palavras”. O verso, para mim, é o resumo do melhor método de interpretação e de escrita.


 

* Foi com enorme prazer que dei conta desta tarefa para o Plástico Bolha. Acho que nunca tinha entrevistado meu pai formalmente, e tentei aproveitar a oportunidade como pude. Digo isso porque, além de filha, também sou fã apaixonada, e fico tímida, curiosa, deslumbrada... Fiquei nervosa por não saber o que perguntar. Tive medo de que ele não gostasse das minhas perguntas... Mas acabei por me conformar com perguntar só o que eu gostaria de saber e nada mais. O resultado está aqui, e espero que gostem!

 

Esse texto foi publicado no plástico bolha nº17: download PDF

 

 

 

 






 

 


 

Copyright - Jornal Plástico Bolha - E-mail: redacao@jornalplasticobolha.com.br