Cadastre-se para receber atualizações do plástico bolha via e-mail:

 

 


Admirável Coxear Novo

(A Perna de Cassandra)

 

 

Quando caminho, apenas meio
Passo dou. O outro é obra do estorvo.
Assim, cada estrada que não veio
Saúda-nos com o medo do novo,


O medo, de novo. Qual pressa que nada!
Eu e meu camarada nos entendemos
Às maravilhas. Diante de terrenos
Movediços, seguimos nossas pisadas.


A perna fantasmagórica toma
A dianteira e, como bengala,
Tateia o lodo onde segura, se entrona


Para enfim avisar-me onde resvala.
Paro, medito, mudo o rumo e sigo.
Para trás, mais uma vez — onde o medo é antigo.

 

 

 

 

 

Esse texto foi publicado no plástico bolha nº18: download PDF

 

 






 

 


 

Copyright - Jornal Plástico Bolha - 2008 - E-mail: redacao@jornalplasticobolha.com.br