Cadastre-se para receber atualizações do plástico bolha via e-mail:




Nanobiografias
Letícia Feres

Eclairton
pai, aposentado. aos 68 anos viajou à cordilheira dos andes e nunca mais foi visto. após vinte anos retornou à sua cidade natal: criciúma. morreu aos 100 anos, em mogi mirim, de onde nunca deveria ter saído.


Everildes
mãe, mulher e amante. nasceu em boa família (mg). aos 30 anos realizou o sonho de ver a torre eiffel, mas jamais conseguiu uma bolsa de estudos em alguma universidade inglesa. nunca foi aprovada no toefl. ganhava a vida criando quadras, quadrilhas e, com fazenda chinesa, bolsas usadas a tiracolo. jamais foi descoberta. morreu aos 80 anos em juazeiro do norte, dizendo “não sou noel, mas vou para o céu”.

poema autobiográfico encontrado no bolso do vestido de everildes-morta



Versos de Circunstância
Jamais apreciei balas de goma,
Venezianas gôndolas,
Cortes de casimira.

Casei-me com véu,
Cantei com Noel
E quando tive que sambar,
corei.

Imitei Monalisa,
Usei vestido de fita,
Cosi a roupa roída do rei.

Jamais li Macário.
Não jogo baralho.
E de rimar,
cansei.





A coluna Bolhas Geraes é dedicada aos nossos leitores e colaboradores mineiros, que, desde a edição #13, recebem o plástico bolha em diversos pontos de Belo Horizonte. Envie também os seus trabalhos para jornalplasticobolha@gmail.com



Esse texto foi publicado no plástico bolha nº24: download PDF

 

 






 

 


 

Copyright - Jornal Plástico Bolha - 2008 - E-mail: redacao@jornalplasticobolha.com.br