Cadastre-se para receber atualizações do plástico bolha via e-mail:

 

 

 


Denize

Zé McGill


I
Denize, meu sol.
Em primeiro lugar, perdoe minha longa falta em nossas correspondências. Saiba que a saudade e a vontade que sinto quando penso em você não minguaram, de forma alguma. Pelo contrário, busco forças para tolerar o suplício que causa a distância que nos separa. Acontece que, nos últimos dias, Jussara – essa monstruosidade peçonhenta que chamam de minha mulher – foi acometida do mais alto grau de desconfiança e irritabilidade de que tenho conhecimento desde o malfadado dia em que nos casamos.


Estávamos sentados à mesa do jantar, na noite da última terça-feira, quando a infeliz largou os talheres sobre o prato e iniciou uma série de perguntas sem sentido, imersa num estado de alteração que me deixou atemorizado. Depois disse que havia encontrado, minimizado na tela do computador, um daqueles nossos e-mails fogosos, recheados com a nossa intimidade, e finalmente me perguntou, entre os dentes cerrados: “Quem é Denize?”. Pergunta à qual recusei resposta retrucando com imediata indignação e fazendo a discussão enveredar para o âmbito da invasão da minha privacidade. Me custa crer que tenha sido leviano a esse ponto! Todavia, cuidarei para que Jussara não tome mais ciência da nossa troca de mensagens e voltarei a lhe escrever assim que possível. Ela me vigia. Vigia o computador. Um inferno.
Com carinho, Jofre.

 

II
_enize, meu sol.
Aproveito este momento em que a casa está vazia para lhe escrever e para confirmar o recebimento _e sua última mensagem. Sim, é provável que eu consiga subir a serra na próxima sexta-feira, sob o pretexto _e presi_ir um seminário em Belo Horizonte. Como você reparou, a quarta letra _o alfabeto sumiu _o tecla_o _o meu computa_or. Logo a letra que inicia o seu nome, o nome mais belo que há! Oh, pequena garbosa! Se você soubesse o calor que sinto quan_o mentalizo nossos feria _os secretos em Saquarema!
Envio notícias assim que possível e assim que conseguir consertar o problema no tecla_o. A miserável chegou, preciso ir agora. Um beijo na sua coxa.
Eternamente seu, Jofre.


III
M&u sol.
Jussara ficou louca! Foi &la qu&m arrancou a inicial _o s&u nom& _o t&cla_o. Agora tirou o “&” tamb&m, com uma colh&r. Avisou ain_a qu& as próximas l&tras serão o “N”, o “I” & o “Z”. Não s&i mais o qu& faz&r com &ssa vaca! Por favor, t&nha paci&ncia. Não posso subir a s&rra na s&xta-f&ira.
Jofr&.


IV
Sol.
&sta s&rá a últ!ma v&z qu& m& comu~!co com voc&.
Pr&c!so f!car com Jussara, &la ~ão &stá b&m. M& p&r_o&, por favor!
&U T& AMO.

 



Esse texto foi publicado no plástico bolha nº33: download PDF

 

 

 






 

 


 

Copyright - Jornal Plástico Bolha - E-mail: redacao@jornalplasticobolha.com.br