Cadastre-se para receber atualizações do plástico bolha via e-mail:

 

 


Verdade em Três Esquifes

Bruno Cintra


O afeto, afã histérico,
A faz tecer delírios
Afaste, ser de lírios,
Tua química quimérica!
Tu, a que me causas cáusticos
Calvários de ódio implícito,
É a mesma que, com cânticos,
Me encanta em crime lícito
Num canto um quanto rústico
Do mar de ardor cardíaco;
Domar-me irá num lírico
Domínio demoníaco,
Sem pressa; e eu, dramático,
Sem precisão ou crítica,
Sempre celebro enfático
Cem preces e uma súplica:
Pra que sua fala célebre
Se lembre de ser cívica
E se salve de ser lúgubre
Em lugar de ser idílica;
Pra que sua doce crônica,
Docente em fel retórica,
Não desça indócil, sônica,
Do seio dessa sólida
Semente de sua tônica,
Sem mente feito um bólido
Somente a ser balístico.
Se mentes, és insólita!
Insulte sem ser cínica!
Insista em ser Hipólita,
Insolvente helenística,
Se és Éris, és hipócrita:
Se exerces sem ser clínica
Medicança à poética
Sem exames de ordem hínica,
Mede, e cansas de ética,
Se exime de ser ínclita,
Medíocre ao ser médica,
Expurga suas encíclicas.
E em ciclos mais eufóricos
E eufônicos que lúdicos,
Eu forjo o meu folclórico
Amor de força súdita.
Amargo é meu histórico
De atar-me a tua túnica
Idiota ator sem mérito
De alarme da tua única
Presença, tão feérica.
Presente és a estética
Desta estirpe extra-emérita
Em feições e formas técnicas
Na tua face, força cênica,
Que apesar de ter-me um cético
Da afeição entre dois díspares
De abismos tão numéricos
Quanto à soma de mil ímpares,
Ainda assumo-me um trágico
De trajar-me vil bucólico
Um Bukowski não-alcoólatra,
Sóbrio moralmente etílico,
Sob o jugo de uma ególatra
Sobra de um banquete mítico.
Apesar de ver-te a sádica
Sede de uma sede ácida
De ceifar-me a fé empírica
Numa vida outrora plácida,
Ainda deixo-me ser vítima
De um desgosto em véu romântico
Desgastado em dor legítima
Degustado em pão semântico.
Se do choro o extenso Atlântico
Foi o foro pras tais lástimas
Devolvo-te teus cânticos
Nesse coro afeito a lágrimas.

 

 

 

 

Esse texto foi publicado no plástico bolha nº 8 : download PDF

 

 






 

 


 

Copyright - Jornal Plástico Bolha - 2008 - E-mail: redacao@jornalplasticobolha.com.br